quinta-feira, 2 de setembro de 2010

Vida Nova





















Tomei uma decisão importante na minha vida profissional e quero compartilhar aqui com vocês. Antes disso, porém, quero revelar que nunca pensei em fazer direito, ser advogado, juiz ou promotor - nem mesmo professor de Direito, por óbvio. Nunca mesmo. Cheguei a iniciar Administração de Empresas na Unir, mas aí inventei de ser militar e deixei o curso. Em Marabá-PA, já tenente temporário do Exército, percebi que eu precisava fazer um curso superior. Descobri que na UFPA havia, além de matemática e pedagogia, o curso de Direito no período da noite. Não hesitei. Inscrevi-me num cursinho pré-vestibular de seis meses. Tive a felicidade de passar na prova e iniciei o curso noturno. Só que tinha um detalhe: não tinha aula. Era raro quando um professor resolvia dar aula. Até o quarto período foi assim, um troço arrastado, nem pude perceber o que era aquilo que eu 'estudava'. Por casualidades da vida, resolvi deixar o exército e voltar a Rondônia. Somente na ULBRA, em Ji-Paraná, (porque a UNIR rejeitou minha transferência - em 2001 nela também não tinha aula), fui tomando gosto e me familiarizando com o curso. Nunca fui nerd. Apenas assistia às aulas direitinho, anotava, participava. Deus é muito generoso, porque sinto que, apesar do ingresso meio desavisado, Direito é a minha cara. Trabalha com a fala, com a escrita, coisas de que gosto muito. Sou até meio exagerado com isso - preocupação com texto e fala escorreitos. Depois de formado, meio barata tonta, passei, com muita sorte, num concurso da Receita Estadual, cargo e salário razoáveis. E aí você fica naquela vida tranquilinha, satisfeito com a vaquinha. Surgiu, inusitadamente, a oportunidade de ser professor. Eu estava dando uma entrevista na Rádio Samaúma, quando me surpreendi com o convite da professora Rita, próxima entrevistada do programa. Aceitei e deu muito certo, porque já faz quatro anos que sou professor na Unesc. E dar aula também é a minha cara. Por isso que digo que é coisa de Deus. Tenho dado várias aulas de pós-graduação, palestras etc. Tudo bom, tudo legal, mas duas coisas me intrigam (intrigavam). O que fazer mais de atividade jurídica, de vida de profissional do Direito? O cargo na Sefin não me realiza profissionalmente. A coisa do concurso público, para ser bem sincero, encheu o saco. Penso que há uma máfia, uma indústria, uma conspiração para se valorizar somente aquele que tem cargo importante, especialmente no meio jurídico. Nunca tive saco para ser estudante profissional e nem vontade de ser juiz, promotor, procurador. Talvez isso tenha me chamado atenção algumas vezes por causa dos salários, é evidente. Com todo respeito aos que fazem concurso, mas a pergunta que mais me chateia é a seguinte: E aí tá estudando pra concurso? É curioso que a advocacia está sendo negligenciada por muitos, sei lá, algo em torno de 80% dos acadêmicos. Agora, depois de refletir, ouvir conselhos da família, de amigos, da namorada, decidi pedir afastamento do cargo público e abrir um escritório de advocacia, mesmo sabendo da 'absurda concorrência' - ou não - desse mercado tão pesado. Mas sabe, pelo menos agora no início de tudo,  vejo que a advocacia é também a minha cara. Espero que dê certo. Abração.

12 comentários:

Raul Nepomuceno disse...

Eita, bicho corajoso!

Desejo que tudo vá bem na sua nova jornada profissional. E, ao que me parece, tudo dá certo para você, e isso porque você faz com a alma.

Um abraço, Fabrício. Só não abandone o blog, viu?!

Loany Costa disse...

Meu amor, primeiramente eu gostaria de dizer que ao refletir sobre o seu texto pude fortalecer a minha crença de que Deus está no controle de nossas vidas (e de tantas outras), inevitavelmente. Me identifiquei bastante com a sua fala, porque eu também não tinha a pretensão de ser professora e nunca me imaginei exercendo a função que exerço atualmente. Fui conduzida a esse caminho naturalmente sem escolha prévia. Mas sobre isso, penso que Deus tem um chamado para cada um de nós e, sobretudo, conduz a nossa vida para que as coisas aconteçam exatamente como Ele planejou, tanto que, de uma maneira gozada, descobrimos em exercício que nascemos para fazer exatamente o que fazemos (o que nem imaginávamos ser a nossa cara, por exemplo). As vezes questionamos por passar por coisas que julgamos desnecessárias ao nosso crescimento. Renegamos discussões, brigas, sermos contrariados, mudanças, etc. Nesse contexto, apenas precisamos entender que várias situações indesejáveis nos conduzem a experiências de vida que nos auxiliam na caminhada da qual nem acreditamos que teremos força suficiente para chegar ao fim. Juntamente com essas experiências, a vida nos traz surpresas, colocando-nos diante de situações inesperadas, muitas vezes bem mais duras que as anteriores, e mesmo que em princípio acreditamos que não teremos força, que é demais para nós, acabamos percebendo que ainda dispomos de capacidade de reagir se assim desejarmos. Saiba que a minha pretensão neste momento é de te oferecer o encorajamento necessário para que você se torne o melhor que você puder ser nesse chamado. Nunca se esqueça que a convicção não tem idade e o discernimento é essencial no processo de tomar decisões sábias. Você sempre terá de partir de algum lugar para chegar a outro e, consequentemente, a cada escolha feita, a cada conquista, haverá novos desafios. Você já sabe, mas vou repetir: estou torcendo muito por você nessa sua nova escolha. Quanto ao exercício, “ora, se algum de vós tem falta de sabedoria, peça-a a Deus, que a todos dá liberalmente e não censura, e ser-lhe-á dada”. (Tiago 1:5)

Deus te abençoe!

Beijos

Fabrício Andrade disse...

Raul, é sempre um prazer ver um comentário seu aqui. Obrigado mesmo. Se você vier a Rondônia fazer o concurso, não esqueça de avisar. Bem que você podia vir aqui a Cacoal pra gente fazer um churrasco e tomar uma cerveja. Um grande abraço.

Fabrício Andrade disse...

Lô, perfeito, irretocável seu comentário. Excelentes as liçoes que você me transmitiu. É verdade. são coisas que só Deus mesmo para conduzir. Você não sabe o quanto fico feliz quando você lê e comenta meus textos, especialmente deixando tão rica contribuição. Obrigadíssimo e um beijaço.

hevellyn disse...

Parabéns queridinho kkkk como eu gosto de chamar você kkkk
Professor Fabrício sempre teve um jeito de advogado neste um ano como sua aluna admiro muito teu trabalho tive o privilégio de conhecer você desejo tudo de bom sucesso.Saiba que tu que fazemos de bom recebemos também sou muito grata a você pela indicação como estagiaria sabe e algo que eu penso sempre que tudo que sei hoje devo a isto a tua coragem de me indicar kkk e agradeço a Deus pela tua a vida e agora com a "careira solo" como você fala que seja só sucesso




Parabéns


Vou lá tomar café viu kkkkkk

balmantt disse...

Professor, tenho certeza que Advogando voce tambem será um sucesso. Só não deixe de ser professor antes de eu ter a honra de ser seu aluno.

Grande abraço.

Boa Sorte!

Ezequiel Balmant

Rhuan disse...

Professor, como é bom ler um pedaço de sua história. Por incrível que pareça, o Senhor que me incentivou a por na cabeça que vou me formar no Curso de Direito, advogar, fazer concursos, gosto muito de conversar e escrever também, sempre vi o senhor conversando, tratando muito bem a todos, explicando e fazendo brincadeiras sadias durante as conversas com amigos. Da mesma forma que o Senhor digitalizou aquele documento solicitando minha mudança de Série, me vejo um dia fazendo parecido para ajudar alguém, e quem sabe eu estarei aprendendo com você um dia. Eu pensava em jogar bola e nada mais, coloquei em segunda opção fazer Direito, e tudo está sendo caminhado para este lado. Contudo venho lhe desejar boa sorte Professor Fabrício, sei que não vai ser difícil, pois o necessário para este tipo de profissão é tratar bem a todos, saber conduzir as situações, ter amizades e essas características não faltam em sua pessoa. Que continue dando tudo certo e precisando professor não medirei esforços para ajudar, pois sempre me tratou bem e nunca mediu esforços para prestar atenção em minhas palavras, como a todos com quem o senhor conhece e até mesmo desconhecidos.
Obrigado professor Fabrício e Boa sorte.

Thonny Hawany disse...

Caríssimo professor e amigo Fabrício, não farei um daqueles longos comentários, até porque o texto aqui só pede: PARABÉNS! e SUCESSO! Competência você tem de sobra e nós seus alunos e amigos bem sabemos disso. A concorrência só existe para os mediocres e você não faz parte desse rol. Será, em breve, um advogado bem sucedido em Cacoal e região, você sabe escrever muito bem e excelente de argumento... O bom trato com a língua portuguesa fara a diferença. Estou apostando todas as fichas no seu sucesso.

Fabrício Andrade disse...

Hevellyn, Ezequiel, Rhuan e Thonny, obrigado demais pela visita, sensibilidade e votos de sucesso. É um privilégio poder contar com amigos que pestigiam o blog, atentos a cada texto, mesmo aqueles que são desabafos ou confidências pessoais. Valeu mesmo!

Leticia de Andrade Venicio disse...

Tio, que lindo, fico muito feliz por você ter tomado essa decisão em sua vida, creio que Deus está a frente de tudo e que vai cuidar para que tudo sai conforme a vontade dele e da melhor maneira possivel para você, esse novo projeto de trabalho com certeza te trará muitas realizações e alegria, e eu serei uma secretária muito boa :D (risos)

beijos

Danilo N. Cruz disse...

Grande Fabrício,

Boa sorte na nova etapa, sucesso!

Abraço,

Danilo N. Cruz

Suely Reis disse...

Oi, Fabrício, lembra de mim? De Marabá, UFPA, etc.
Legal seu blog, achei legal as postagens.
Quanto a advocacia, vá com tudo, vai dar certo. Vc é muito dedicado em tudo o que faz e quando a gente faz o que gosta, faz bem feito.
abração.